• COMECE COM O PÉ DIREITO

    Excelente Relação Custo X Benefício Leia mais
  • CADEIRA ORVALHO

    Produto Premiado exclusivo da Movelaria Paranista Leia mais
  • HOTEL RAMADA

    Móveis da Movelaria Paranista no hotel no Recreio dos Bandeirantes Leia mais
  • MUSEU OSCAR NIEMEYER

    Os móveis da Movelaria Paranista pertencem ao acervo permanente de design do MON Leia mais
  • SALÕES DE FESTAS E EVENTOS

    Cadeiras elegantes com os diferenciais da empilhabilidade e resistência Leia mais
  • HOSPITALITY & FOOD SERVICE

    Móveis para uso profissional em gastronomia, hotelaria e eventos Leia mais
  • A FANTÁSTICA FÁBRICA DE CADEIRAS

    Monte a sua cadeira em nosso simulador! Leia mais
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 6
  • 7

2017 será o ano do “Novo Olhar”. Do olhar para nossos negócios e para o nosso país de uma forma diferente. Bons negócios estão esperando quem tiver esse olhar especial, percebendo as tendências e investindo energia e recursos nas ideias mais promissoras. As boas tendências são aquelas conectadas com as mudanças que o mundo e o mercado passam hoje e que definirão os próximos anos, e que também possibilitam sinergia com a sua empresa. Cabe aos empresários e executivos dos restaurantes selecionar possibilidades e escolher os caminhos. Confira algumas tendências que selecionamos para você:

Clique nas miniaturas para ampliar e saber mais, e mais abaixo confira o texto completo das tendências.

 

 

Abaixo o conteúdo integral das tendências.


1 - Aplicativos e Cardápios Eletrônicos

O acesso à informação na rede e em conteúdo off-line formam esta tendência. Os aplicativos traçam roteiros para viagens gastronômicas, trazem receitas e dicas, ajudam a harmonizar vinhos e cervejas com os pratos, gerenciam o consumo de calorias, etc.

Os aplicativos de cardápio inicialmente desenvolvidos para uso em tablets dos restaurantes, tendem a rodar diretamente nos smartfones dos clientes, tanto em serviços de entregas quanto nos próprios estabelecimentos.

Não significa a morte do cardápio impresso, mas implica que esta peça gráfica terá que atualizar-se e melhorar muito para competir com os meios eletrônicos.

Os cartões de fidelidade tendem a ser incorporados por estes aplicativos.

 

2 - Barba

Você não leu errado, é barba mesmo! Barba por fazer é moda entre chefs de cozinha.

“Quem acompanha o mundo da gastronomia e seus personagens, com certeza já reparou nas barbas espessas, compridas e bem aparadas de famosos chefs de cozinhas. Basta pensar no Alex Atala, do D.O.M., ou no Henrique Fogaça, jurado do MasterChef. Eles são dois bons exemplos do visual barba por fazer, look que foi tendência em 2016 no mundo da moda e promete continuar em 2017, inclusive na cozinha.” conta Andrea Torrente do caderno Bom Gourmet.

 

3 - Comida em Casa

Outro setor que pode ser interessante é o de negócios de alimentação que facilitem a vida do consumidor, e ao mesmo tempo caibam no bolso.

“As pessoas têm estado menos em casa, e isso exige uma alimentação fora, ou ainda algo que ele possa levar para casa e que facilite a sua vida. Podem ser congelados, ou ainda um serviço em que a pessoa compre por porção”, indica o vice-presidente da ABF.

Disponibilizar freezers ou geladeiras com porções de comida para levar para casa localizadas próximas do caixa do restaurante pode aumentar o ticket médio dos consumidores. Estes produtos podem ser produzidos no próprio estabelecimento ou contar com fornecedores terceirizados.

 

4 - Comida Orgânica & Alimentação Saudável

“Pense globalmente. Aja localmente” trás desta frase famosa está um dos principais conceitos do mundo sustentável. A ideia de que aquilo que você faz em seu pequeno mundo reflete no planeta. Esta ação local ao lado da diminuição dos compostos químicos adicionados aos alimentos são as principais informações desta tendência.

Essa é uma tendência que parece ter vindo para ficar. A onda dos alimentos orgânicos, sem glúten ou lactose tem espaço para crescer, afirma Cláudia Bittencourt.

Além cruzada contra os agrotóxicos, há também uma mudança de atitude diante da comida, tendendo inclusive para o estilo Slow Food. Compartilhar com outras pessoas a comida e o “tempo de comer” torna-se mais importante do que apenas alimentar: “Viver, e não apenas sobreviver.”

“No Brasil, a valorização dos vegetais no cardápio vai se fortalecer. Por mais que os fast-foods não sejam tão afetados pela comida saudável e sem aditivos, as pessoas estão se preocupando mais com o que estão consumindo.” analisa a especialista Aline Furlaneto, e complementa “... A tendência é prato colorido com folhas, verduras, legumes e proteínas. A população vegetariana está aumentando e vários restaurantes estão adaptando os pratos para uma comida mais leve e gostosa.”

Espaço de mercado promissor para restaurantes que deixam claro na sua comunicação que sua proposta é pela Comida Orgânica e Alimentação Saudável.

Para a ambientação de restaurantes dentro dessa tendência, o uso da madeira na decoração do salão é uma constante.

 

5 - Cross Selling e Economia Compartilhada

Essa tendência ainda vai se consolidar mais e em breve as oportunidades de negócios ficarão mais claras, geralmente com o uso de tecnologias do conhecimento. O modelo de negócio do Uber e do Airbnb, em que a pessoa usa algo que ela já tem para gerar renda, tem chamado a atenção dos empreendedores para otimizar os recursos que suas empresas possuem e transformá-los em valor. Pode estar surgindo a Terceirização 2.0 no setor de gastronomia.

Ainda na tendência de compartilhamento a empresa Oficina da Mesa, aberta recentemente na Pompeia em SP, oferece cozinha profissional equipada em aluguel por hora a partir de R$ 50, com foco em microempreendedores de alimentação. A cozinha conta com forno combinado, masseira, freezer, forno turbo, seladora a vácuo, câmara de fermentação, panelas, fogão industrial, resfriador de água e mais diversos outros equipamentos e utensílios.

Outro movimento interessante é o da união de marcas interessadas no mesmo consumidor. É o caso das cafeterias dentro de livrarias, por exemplo. “Acredito que dentro do franchising devem começar a acontecer mais negócios cruzados. Talvez quiosques de alimentos saudáveis dentro das academias, por exemplo”, afirma Altino Cristofoletti, vice-presidente da Associação Brasileira de Franchising.

 

6 - Decoração Temática ou Personalizada

Muito mais do que produtos as pessoas buscam atualmente por experiências. Intensificar essas vivencia nos restaurantes é uma forma estratégica de agregar serviços aos produtos.

Ao criar um ambiente temático nos restaurantes melhora-se a experiência do cliente e agrega-se valor a marca do estabelecimento e aos seus produtos, possibilitando a fidelização da clientela e a conquista de novos públicos.

A rede de Restaurantes Nau, com restaurantes na região Nordeste e em Brasília adotou uma cadeira Camaleão com o encosto tematizado com o desenho das calçadas da praia de Copacabana no Rio de Janeiro, fazendo uma conexão com a expectativa do turista estrangeiro que vem ao Brasil munido do imaginário sobre o nosso país, no qual o Rio é a informação mais forte. Uma estratégia assim possibilita acessar novos mercados ligados ao turismo e setor de hospitality, ampliando assim o potencial de negócios do restaurante.

Da mesma forma personalizar elementos da decoração com a marca, como as cadeiras por exemplo, podem fortalecer a presença da marca perante o cliente e colaborar na fidelização.

Sobre o quão importante é a presença da marca, vale lembar que em cada pé de tênis Nike tem em média 7 vezes estampada a sua marca em posições estratégicas.

 

7 - Gastronomia Sustentável e Redução do Desperdício

A “Gastronomia Sustentável” é uma tendência sólida e rentável para os estabelecimentos. E alguns pontos básicos são importantes: saber de onde o alimento vem, como ele está sendo tratado, como o produtor trabalha, se está sendo feito o uso de agrotóxicos ou fertilizantes, se o acondicionamento e transporte é o correto, se o insumo é aproveitado, etc.

Além disso, donos de restaurantes que oferecem essa prática se preocupam com o gerenciamento da água, gás e energia. A gastronomia sustentável prioriza alimentos orgânicos e sazonais, que são cada vez mais pedidos pelos consumidores.

A redução do desperdício é outro ponto fundamental. De acordo com pesquisa realizada pela Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO/ONU), 1,3 bilhão de toneladas de alimentos são desperdiçados anualmente. Isso significa que 30% da quantidade de alimentos produzidos no mundo são jogados no lixo sem terem sido aproveitados. Sem levar em conta as sobras de comida que poderiam ser reaproveitadas, as más condições de logística, transporte e armazenamento também contribuem para o desperdício.

A campanha da ONU “Pensar, Comer e Conservar”, sugere algumas dicas para reduzir esse desperdício no nosso dia a dia: Faça compras de maneira inteligente, Compre “frutas feias”, Entenda as datas de vencimento, Zere a câmara fria antes de uma nova compra [mantenha estoques mínimos], Use o Freezer, Use porções menores, Faça compostagem, Tenha regras na sua cozinha, Reutilize as sobras das refeições e Faça doações.

A adoção da Gastronomia Sustentável pelos restaurantes deve ser acompanhada de ações de comunicação com seus clientes para a devida conscientização.

 

8 - Hamburguerias

E se o foco é mais na alimentação fora de casa, uma dica é ficar de olho na tendência das hamburguerias. “Estão abrindo várias hamburguerias agora. O consumidor está buscando outro tipo de alimentação e os shoppings também estão em busca de novos negócios para a praça de alimentação”, afirma a consultora Melitha Novoa Prado e continua “Antes hambúrguer era só Burguer King e Mac Donald’s. Ou então aquelas lanchonetes de bairro. Agora tem essas tipo butique, que não são tão fast food. É um negócio que tem tudo para dar certo”.

A meteórica expansão da rede do restaurante Madero está em sintonia com esta tendência.

 

9 - Preços Baixos

O comportamento dos clientes para gastar menos é universal, mas em tempos de crise econômica isso é potencializado. Em praticamente todas as faixas de consumo pode-se observar este comportamento.

Elas estão em todo canto do mundo, mas não há dúvidas de que a Europa é o grande centro das companhias aéreas de baixo custo e baixa tarifa (low cost, low fare). Lideradas por Ryanair e Easyjet, dezenas de empresas oferecem bilhetes muito baratos para cruzar os países do Velho Continente e têm provocado uma verdadeira revolução no transporte por lá. Este modelo tem sido replicado no setor de gastronomia.

O Chef boliviano Checho Gonzales adotou um modelo de negócio mais enxuto. Criou um cardápio com dois pratos básicos com ingredientes nobres e reduziu a logística na cozinha. O segredo do pequeno restaurante no mercado de Pinheiros, Zona Oeste de São Paulo: cortar serviços para reduzir custos, sem mexer na qualidade. O restaurante não tem garçom, não cobra 10%, o próprio cliente joga as sobras no lixo e devolve os talheres no balcão. No almoço de sábado, chega a receber mais de 500 pessoas.

 

10 - Presença Digital

Não é uma tendência nova mas continua forte e crescendo. Restaurantes devem manter uma forte presença no mundo digital, com sites bem estruturados e comunicação multicanal intensiva, especialmente nas redes sociais e no Youtube. A novidade é que a proliferação dos aplicativos para smartfones deve fazer parte das estratégias de fidelização dos clientes

 

11 - Terceira idade

Nossa população está envelhecendo, e a longevidade cresce a cada ano. Os idosos têm buscado cada vez mais qualidade de vida. Produtos e serviços voltados para a terceira idade formam uma tendência parece ter vindo para ficar.

Cláudia Bittencourt afirma que “Os negócios para essa população vão crescer muito. E um nicho que tem bastante potencial é o daqueles que buscam unir saúde com algo mais prazeroso...”.

Para estar pronto para esse público o restaurante deve adaptar suas instalações com recursos de acessibilidade arquitetônica.

 

12 - Valores Intangíveis da Comida

Em busca da relevância, segundo Aline Furlaneto “A gastronomia está cada vez mais inserida na sociedade. Antigamente, era vista somente como forma de satisfazer as necessidades básicas do ser humano, ou seja, saciar a fome. Hoje em dia, ela vai muito além, o preparo dos alimentos está relacionado à cultura, que vincula religiosidade, classe social, etnia, localização geográfica e o que cada lugar tem de mais peculiar. Desse modo, podemos dizer que a gastronomia é também uma fonte de conhecer a cultura de um povo por meio dos alimentos que cada local oferece de mais típico.”

Nesta tendência está um dos principais meios de aumentar a percepção de valor das marcas dos produtos alimentares e restaurantes, pois ao acessar valores intangíveis as empresas fazem conexão com as crenças mais importantes das pessoas.

 

Fontes

ABF Associação Brasileira de Franchising – Adventures of an American Traveler – Blog Cássia Filetti – Free Food Photos - Goomer – Ideia de Marketing - iMenuCards - Jornal Estadão caderno Paladar - Jornal Gazeta do Povo caderno Bom Gourmet - Melhores Destinos - Movelaria Paranista - Programa PEGN – Restaurante Nau - Revista Exame - Slow Food USA - Squimb Terra – Thermaray